Data da ultima atualizaçao
Pulmonar - Pela sua Saúde Respiratória - Leitura 03/08/2012



Notícias

Síndrome do Edifício Doente
Mal dos tempos modernos prejudica a saúde e a produtividade das pessoas

Talvez não seja do conhecimento geral da nação, mas a saúde e a produtividade de uma parcela expressiva de cidadãos têm sido prejudicadas por um mal típico dos tempos modernos. Trata-se da Síndrome do Edifício Doente (SED), problema que advém de condições desfavoráveis das construções, como a má ventilação, limpeza interna inadequada e falta de manutenção dos equipamentos. São falhas que favorecem a proliferação de poluentes de origem física, química ou microbiológica.

A origem do problema remonta os anos 70. Começou a ser relatado nos países desenvolvidos, com climas frios. Eles passaram a construir edificações mais seladas, objetivando a redução do consumo de energia e de ventilação natural, e a maior eficiência de aparelhos de refrigeração e aquecimento. Entretanto, a blindagem das construções afetou a circulação/renovação do ar. De outro lado, o avanço tecnológico na área de climatização permitiu a implantação dos chamados microclimatizadores artificiais em países tropicais, para manter uma temperatura agradável. O resultado é que, hoje, a maioria dos edifícios em países tropicais como o Brasil é dependente de sistemas de ar condicionado. Estes, quando não há uma manutenção adequada, podem ser os principais vilões da saúde, especialmente da respiratória.
 

A OMS e a SED Em 1982, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu a Síndrome do Edifício Doente (SED), caracterizada pelo aumento da prevalência de sintomas pouco específicos, como mal-estar, sensação de fadiga, dor de cabeça, espirros, lacrimejamento e ardor nos olhos, coriza, tontura, tosse seca e alterações na pele. Um edifício é classificado doente quando cerca de 20% de seus ocupantes apresentam alguns destes sintomas em decorrência do tempo de permanência em seu interior. São sinais que tendem a desaparecer após curtos períodos de afastamento.

As causas, vale repetir, estão associadas à climatização artificial, má conservação de filtros de ar condicionado, umidade, temperatura, deterioração do ar interno e sua insuficiência para a quantidade de pessoas que trabalham, moram ou circulam pelo edifício.
 
Segundo o Dr. Marcos Arbex, especialista da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), a OMS avalia que, atualmente, 30% dos edifícios do planeta são doentes. "É importante avaliar nas construções, a qualidade e a higienização regular do sistema de refrigeração, além dos cuidados normais com ar condicionado e iluminação adequada", alerta Dr. José Eduardo Delfini Cançado, presidente da SPPT.

Fax, impressoras e máquinas de xerox, carpetes, acúmulo de papéis e próprios produtos de limpeza, entre outros, habitualmente liberam substâncias químicas. Outro agravante é que a má conservação do filtro do ar condicionado pode gerar bactérias, influenciando a Doença Relacionada com o Edifício (DRE), que, diferentemente da Síndrome do Edifício Doente, ocasiona doenças com sintomas específicos, atribuídos diretamente a poluentes identificados no ar do edifício. Entre essas doenças estão a asma, rinite, dermatite e a pneumonia.

A SDE atualmente é responsável por importante perda de produtividade. Há um nível elevado de absenteísmo (falta ao trabalho) e redução de qualidade de vida do trabalhador nesses edifícios. É, portanto, um problema de saúde pública e ocupacional. O Dr. Ubiratan de Paula Santos, pneumologista da SPPT, sugere a aplicação de ferramentas de controle dos casos de Síndrome do Edifício Doente. "A organização do condomínio pode e deve, além de zelar pela limpeza e pela manutenção do condicionamento de ar, aplicar, anualmente, questionários para monitorar as queixas dos funcionários, em quais andares há mais problemas e se houve melhora ou piora durante o ano".

 
 

Voltar

© 2017 www.sppt.org.br - Este site é mantido pela Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia
O conteúdo publicado neste site possui caráter meramente informativo. as informações aqui publicadas não devem ser usadas para a execução de diagnósticos, procedimentos ou tratamentos sem prévia orientação médica.
Consulte sempre o seu pneumologista.

Itarget